Topo
Deu Match!?

Deu Match!?

Categorias

Histórico

App de relacionamento pode acabar em casamento; leia estas histórias

Deu Match!?

27/03/2019 04h00

Tem gente que acha que relações que nascem em aplicativos só rendem algo casual. Mas muitos encontros saem dali e acabam em casamento, como nos relatos a seguir.

Natália Martins e Efraim Martins se conheceram um ano antes do casamento. Crédito: arquivo pessoal

"Não foi fácil me converter, mas sabia que era ele"

"Nunca acreditei nesses relacionamentos virtuais, mas, como já estava solteira havia um tempo, resolvi conhecer gente nova, fazer amizade e me abrir para as possibilidades que poderiam acontecer. Instalei o app e fiquei tão apaixonada quando vi o Efraim que fui vasculhar as redes sociais dele. Ali descobri que ele era muito religioso e fiquei apreensiva, porque nunca me identifiquei com religião alguma, mas resolvi dar uma chance a ele.

Vinte dias após nosso primeiro encontro, começamos a namorar. Um mês depois começamos a falar em casamento. Eu estava feliz, mas preocupada, porque ele é mórmon e eu não me sentia preparada para a conversão. Foi aí que o Efraim disse que casaria comigo mesmo assim e respeitaria meu tempo.

A decisão não foi fácil, mas resolvi mudar radicalmente minha vida e me converti. Muitas pessoas me criticaram, mas tenho certeza que tomei a atitude certa. Acreditamos um no outro e no nosso amor e isso é o que importa. Dia 7 de setembro de 2018, um ano depois de nosso primeiro encontro, nos casamos, e estamos mais felizes a cada dia."

Natália Ferreira Santos Martins, 26, especialista de atendimento, casada com Efraim Pereira Martins, 28, instrutor de esporte.

Naiara Araújo deixou o Brasil quando resolveu se casar com o espanhol Andoni Leunda. Crédito: arquivo pessoal

"Mudei de país por amor"

"Demos match em abril de 2016 e tivemos o nosso primeiro encontro em maio. Em poucos dias, voltamos a nos encontrar e só aí rolou o primeiro beijo. Depois disso, começamos a nos ver com mais frequência e, na véspera do Dia dos Namorados, ele me pediu em namoro. Eu aceitei.

O Andoni é espanhol e estava em São Paulo a trabalho. A previsão da empresa era de que ele ficaria por pelo menos mais um ano no Brasil. O problema foi que em julho houve uma mudança no projeto que ele trabalhava e avisaram que ele teria que voltar para Madri. Foi um choque, porque tínhamos menos de um mês de relacionamento e não imaginávamos que de uma semana para a outra ele teria que ir embora. Resolvemos continuar tentando, mesmo à distância.

Veja também:

Vizinhos e com amigos em comum, Licka e Felipe só se conheceram no Happn

Bem antes do Tinder, internet já unia casais; veja histórias

5 comportamentos que podem atrapalhar (muito) sua vida amorosa nos apps

Até que, em 2018, ele conseguiu voltar a morar no Brasil a trabalho por cinco meses. Esse tempo juntos confirmou que o nosso relacionamento estava bem e nós queríamos continuar tentando, mas a verdade é que já estávamos cansados de não poder fazer planos e ter que lidar com a distância.

Foi aí que a revista na qual eu trabalhava fechou e eu aproveitei para fazer uma mudança radical na minha vida e mudei de país. Casamos em fevereiro e agora moramos juntos em Madri."

Naiara Araújo, 27, jornalista, casada com Andoni Leunda, 29, consultor financeiro.

Jéssica Fonseca acredita que sem o app demoraria muito mais para conhecer Fábio Santana. Crédito: arquivo pessoal

"Sem o app talvez demorássemos mais a nos encontrar"

"Usava um app de relacionamento há cerca de sete meses e conheci alguns caras, mas era só diversão. Fiz amigos, colegas, contatos profissionais, mas nenhuma relação amorosa que fosse relevante. Conheci o Fábio e levamos dois meses para nos encontrar. Ele me chamou a atenção porque não era desesperado, nem tinha a pressa de sair que todo mundo demonstrava. Ele era simples. Conversávamos sobre nossos dias, falávamos das expectativas que tínhamos em relação a trabalho, futuro e era muito gostoso.

Quando estávamos nos conhecendo passei um tempo entre Argentina e Uruguai e, nesse período, a pessoa com que eu mais falava era o Fábio. Isso foi criando uma confiança tão grande entre nós que nem parecia que ainda não tínhamos nos conhecido pessoalmente. Antes de eu voltar ao Brasil, combinamos de comer um pastel, mas ele acabou me convencendo a ir à casa dele.

Cozinhamos, tomamos vinho e nunca mais nos separamos. É interessante que frequentávamos lugares parecidos, tínhamos ideologias e gostos muito similares, morávamos em bairros próximos, mas sem o app talvez demorássemos mais a nos encontrar. Isso foi em novembro de 2016. Em agosto de 2017 fomos morar juntos, cada um com seu gato, e adotamos mais uma. Demos a ela o nome de Amara, o mesmo que eu usava no aplicativo."

Jéssica Vieira da Fonseca, 27, artista visual casada com Fábio dos Santos Santana de Sousa, 32, terapeuta.

Solidão levou Jenifer Miranda ao app por meio do qual conheceu Gabriel Miranda. Crédito: arquivo pessoal

"Encontrei meu marido na primeira vez que usei um app"

"Eu morava sozinha, meus amigos haviam mudado de cidade e eu tinha terminado um relacionamento à distância que não estava dando muito certo. Tudo isso fez com que eu me sentisse muito só. Resolvi entrar em um app de relacionamento francês para conhecer pessoas, fazer amigos, para ter alguém para conversar.

Conheci meu marido em novembro de 2013, trocamos ideia, batemos um papo e eu deixei o app de lado, porque achei que não ia dar em nada. Fiz uma viagem e, quando bateu a solidão, voltei ao aplicativo e tinha uma mensagem dele para mim.

Começamos a nos falar todos os dias, até que resolvemos nos encontrar em fevereiro daquele ano para assistir a um filme ao ar livre na USP e foi muito legal. A partir dali, começamos a nos encontrar sempre que dava e fomos ficando, até que em novembro começamos a namorar.
Ficamos noivos em 2016 e em julho completaremos dois anos de casados. Eu estou muito feliz com a minha escolha".

Jenifer Aparecida da Silva de Miranda, 25, publicitária, casada com Gabriel da Silva Ribeiro de Miranda, 29, designer.

 

Nara Faraj e Flávio Lemos se conheceram em um momento de grande mudança na vida de ambos. Crédito: arquivo pessoal

"No primeiro dia que baixei o app falei com o Flávio e com outro rapaz. Confesso que fiquei mais interessada no outro cara, mas descobri que ele era casado e o descartei. Era começo de 2016. Continuei conversando com o Flávio e então marcamos de tomar um suco no centro de Belo Horizonte.

Fomos a um barzinho, conversamos, nem estava preparada para transar, mas acabou rolando na mesma noite, uma coisa meio rápida. É engraçado que, depois disso, começamos a nos ver ou falar todos os dias, mas ficamos os dois meses seguintes namorando sem rolar sexo.

Nos últimos cinco meses antes de nos conhecermos, a vida de nós dois tinha mudado bastante. Ele estava terminando um casamento e eu tinha emagrecido 34 kg após me submeter a uma cirurgia bariátrica, que influenciou na minha autoestima. Acho que a visão da maioria é que app de relacionamento serve  principalmente para relacionamento casual. Mas nele eu me expunha mais, do que cara a cara.

Na primeira vez que conversei com o Flávio achei estranho que ele não olhava nos olhos, mas mesmo assim senti que ele era bom. Com jeitinho fomos nos conhecendo e apegando até que em 8 de julho de 2017 passamos a morar juntos e no último dia 19 de março casamos oficialmente".

Nara Faraj, 36, médica, casada com Flávio Lemos, 37, professor universitário.

Por Eligia Aquino Cesar, colaboração para a Universa

Sobre o blog

Notícias, curiosidades e muitas histórias de quem já se deu bem ou quebrou a cara nos apps de paquera.

Deu Match!?